segunda-feira, 13 de agosto de 2012

[GAME] Resident Evil

Não dá para dizer que “Resident Evil” inventou o terror interativo. Games como “Alone in the Dark” já flertavam com essa emoção bem antes da Capcom colocar seu T-Virus na praça. Mas dá para dizer que se o terror é o que é hoje nos games, é graças a este verdadeiro pioneiro. A série teve início em 1996 e, até hoje, tem 26 games associados à franquia. Dentre inúmeras versões, a série se espalhou em diversas plataformas nos últimos 16 anos. Escolhemos os 10 principais episódios desta saga, que já deu sustos homéricos em marmanjos mundo afora.

O terror começa com o primeiro game da serie para PS1, com direito uma assustadora introdução, embora os atores sejam de quinta categoria em cosplays vergonhosos. O início deliciosamente tosco esconde uma pepita do survival horror, que enfatiza a resolução de puzzles e a necessidade de conservar munição contra os mortos vivos. Um remake para GameCube, lançado em 2002, atualizou os gráficos e introduziu algumas mecânicas, tornando essa a versão definitiva do game, obrigatório na biblioteca de qualquer fã de jogos de terror. Embora eu ainda ache um dos melhores da franquia.


Considerado um dos melhores games de toda a franquia, “Resident Evil 2” marca a primeira versão do jogo em um console Nintendo, algo que aconteceria novamente apenas em “Resident Evil 4”. O game apresenta duas histórias paralelas, com o jogador escolhendo entre Claire Redfield e Leon S. Kennedy, que tentam sobreviver à horda de zumbis que atacam a cidade de Raccoon City. A delegacia deserta e devastada pode ser um dos melhores cenários da história da franquia.

Uma injeção de ação na franquia. “Resident Evil 3” marca a apresentação de um dos vilões mais icônicos da série, o monstrengo mutante Nemesis, que acossa o jogador em diversos pontos do game, atuando como uma espécie de mini-chefe. Na jogabilidade, a Capcom adicionou uma mecânica de rolamento, deixando a ação mais rápida, além de um comando para virar 180º, que se tornou característica da série.

O primeiro “Resident Evil” a não ser lançado originalmente para PlayStation traz uma grande inovação gráfica: pela primeira vez, os cenários passaram a ser renderizados em 3D, e não em uma imagem 2D estática. Bastante similar a “Resident Evil 3” na jogabilidade, “Code Veronica” é outro game frequentemente citado como um dos melhores da série. A trama traz personagens dos outros jogos, como Claire e Chris Redfield e Leon S. Kennedy.

“Outbreak” não foi dirigido por Shinji Mikami e não foi particularmente bem recebido pela crítica, mas é um episódio fundamental na série pois marca o primeiro experimento da franquia com multiplayer. Jogadores podiam entrar na internet usando o modem do PS2 e, ao lado de outros jogadores, enfrentavam cenários em modo cooperativo. Levar sustos deixou de ser uma coisa necessariamente solitária.

A revolução chega à série de horror da Capcom em Residente Evil 4 e não dá sinais de que vai embora. Pela primeira vez em nove anos, a série recebe mudanças cruciais na jogabilidade e o resultado é, provavelmente, o melhor jogo da série e um dos melhores da geração passada. No controle de Leon S. Kennedy, os jogadores se embrenham pelo interior da Espanha na busca da filha do presidente dos EUA, usando um sistema de mira fixo acima do ombro, com o jogador controlando a mira com o auxílio de uma mira-laser. Gráficos impressionantes, fases memoráveis e muita ação tornam este game um clássico obrigatório na biblioteca de qualquer jogador.

De muitas formas, “Resident Evil 5” seguiu o formato de seu predecessor, apenas ampliando a ação, afastando de vez a franquia de suas origens no horror. No papel de um extremamente bombado Chris Redfield os jogadores podem, mais uma vez, chamar um amigo para compartilhar a matança, seja via tela dividida ou online. O game é bom e traz gráficos impressionantes, mas dá para dizer que inova pouco em relação ao predecessor.

Pela primeira vez a experiência “Resident Evil” foi traduzida com precisão para um portátil em Revelations, usando os recursos gráficos do Nintendo 3DS. Com gráficos impressionantes para o sistema e algumas mecânicas que utilizam características únicas do portátil, “Revelations” não faz feio com seus primos maiores e é uma excelente demonstração de que a franquia tem novas fronteiras para romper.

A série abandona de vez suas convenções em um game que pode ser descrito mais como uma versão de “Left 4 Dead” em terceira pessoa em “Resident Evil: Operation Raccoon City”. A cooperação é fundamental no game, que introduz mecânicas de cobertura e acelera a jogabilidade, buscando um jogo mais ágil e cheio de ação. A recepção não vem sendo das melhores, mas a ideia tem bastante potencial.

A ordem agora parece ser dinamizar a jogabilidade de “Resident Evil”, ampliando a ação vista em “RE 5” transformando em "RE6". Os personagens (dentre eles Chris Redfield e Leon S. Kennedy) se movem com muito mais velocidade e acrobacias que em qualquer outro game da série. Pela primeira vez, a Capcom vai deixar os jogadores andar e atirar ao mesmo tempo. Não há muitas informações sobre o game, mas do que foi visto até agora, parece um passo rumo a games de ação tradicionais como “Gears of War”.



@edit
Já existe uma sinopse do RE6 na internet, que pode ser lida aqui mais que também levou duras criticas pois mesmo com as explicações da CAPCON, os fãs "esperavam pelo menos um game de ação, mais parece se tratar de um game de tiro genérico. Leia na integra aqui e aqui.





Essa materia foi copiada na integra daqui o que significa que não, necessariamente, corresponde com minha opnião, pois se assim fosse acima estaria escrito que a franquia deveria ter acabado no Residente Evil 3, pois essa trilogia não se compara com mais nenhum jogo de qualquer versão da serie.
Os demais games da franquia são bons, mais não o suficiente para se chamarem Resident Evil.





 Para sugerir alguma matéria, encaminhe um email para modorusso@gmail.com

4 comentários:

  1. Bem legal esse post

    ResponderExcluir
  2. Sou suspeito em dizer, mais modesta parte tambem gostei desse post

    ResponderExcluir
  3. Tambem achei bem legal !!!

    ResponderExcluir
  4. "Essa materia foi copiada na integra daqui o que significa que não, necessariamente, corresponde com minha opnião, pois se assim fosse acima estaria escrito que a franquia deveria ter acabado no Residente Evil 3, pois essa trilogia não se compara com mais nenhum jogo de qualquer versão da serie.
    Os demais games da franquia são bons, mais não o suficiente para se chamarem Resident Evil. "
    Faço destas palavras as minhas, e tenho dito!

    ResponderExcluir

Não se esqueça, aqui comenta sobre o blog VOCÊ! Porém:
Não use palavras ofensivas ou "palavrões": apenas o dono do blog tem esse privilégio!
Não faça spam de outros blogs: A menos que pague as devidas taxas de spam que devem ser depositadas via dinheiro vivo na minha mão!
Não use o comentário como caixa de contato: Se quiser falar com alguém do blog, utilize o canal do SAC (primeiro banner da barra lateral).
Comentários em postagens feitas a mais de 14 dias estão sujeitas a aprovação (ISSO FAZ COM QUE O COMENTÁRIO POSSA DEMORAR A APARECER, POR FAVOR TENHA PACIÊNCIA).